segunda-feira, 30 de julho de 2012

Ninguém sabe mas toda noite me reviro várias vezes na cama antes de conseguir dormir.Ninguém sabe como me dói pensar em você. Ninguém sabe.E se depender de mim ninguém vai saber,será nosso segredo:meu e seu.Sinto que fico cada dia um pouquinho mais doida,um pouquinho mais distante da realidade,crio meus próprios personagens meus diálogos meu próprio mundinho e lá me prendo e recuso me a sair.Tento preencher o vazio aqui dentro com tantas coisas e de nada adianta.As vezes só quero sumir,ir pra um lugar onde ninguém me ache e ali me agache e seja feliz.As vezes quero ser notada,lembrada para depois sair de cena com a mesma amargura ressentida.Quero colo,abraço,atenção e quero ser deixada de lado,num canto sem maiores considerações.Me encontro amarga de tão doce que fui,me encontro só e por mais que doa assim me sinto melhor.Cada vez um pouquinho mais distante,cada dia sumindo um pouquinho dentro de mim,amargando o que um dia já foi mel.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Olhou pro relógio na parede,sentiu uma súbita vontade de abrir as janelas a sala tinha cheiro de mofo.Encostar no parapeito fumando unzinho e tragando o uísque barato do bar a esquina,menos de cinco minutos para próxima paciente mal havia descansado desde o último,um garoto magricelo que tinha vontade de se suicidar. De costas pra porta quando ela entrou remexia numa caixa de papéis amassados guardava tanta bobagem,pigarreou o que fez ele se voltar para sua poltrona de couro macio já tão desgastada pelos anos de uso.Sentou e esperou que começasse a falar,olhou a ficha nas mãos:primeira vez no consultório,sorriu de modo a parecer amigável.
-Acredito que deva estar nervosa...
-Oh não.Já tive em muitos desses consultórios antes,eles-vocês quero dizer- sentam e esperam que comecemos a falar do que nos aflige.
Sorriu novamente dessa vez mais relaxado,melhor lidar com uma assídua em consultório do que com os inexperientes nervosos.
-A senhora então pode começar a falar quando quiser já que sabe como funciona.
-Senhora não,coisa de velha.To nova,muito nova pra ser senhora mas não tão nova pra ser senhorita.Pode me chamar de Alice. -fez uma pausa com um sonoro suspiro,olhou para fora,a janela ainda fechada. - Meu problema é que nada me aflige.
-Então deve ser a senhora,me desculpe,você muito feliz.
-Que tolice pra se dizer.Sou feliz sim mas na medida,do possível, do impossível.Vê se presta atenção de verdade no que eu digo,não sou mais uma dessas malucas viciada em fazer analise é só que eu queria saber porque que ninguém pode fazer analise sem ter algo que o aflige.
-Alice,as pessoas  geralmente fazem analise para se desafligir-perguntou-se se a palavra realmente existia tão estranha que soara
-Então é isso sou uma anormal.É que veja você eu sempre achei que fazer analise fosse pra desabafar,ter alguém te ouvindo mesmo que recebesse pra isso.Pode-se dizer que eu até seja feliz,não passo os dias buscando a felicidade mas também não quero respostas para todos os problemas do mundo.Eu vivo,sabe? - inspirou profundamente com aquele mesmo olhar perdido na janela fechada, ele reparou em quão intenso os olhos dela eram - Uísque.Posso me servir?Quero abrir a janela também posso? Tudo fechado dá uma sensação de claustrofobia.
Ele ficou parado olhando enquanto Alice se servia de seu uísque barato,abria a janela e encostava no mesmo parapeito onde estivera antes dela chegar.
-Minha mãe me acha meio maluca sabe.Ela diz "essa menina não tem jeito,gasta o dinheiro todo em analise e fica por ai falando sobre achar a felicidade,o verdadeiro amor" - riu e a risada dela tinha um som prazeroso -Eu ando meio perdida as vezes mesmo, procurando um grande amor na fila do banco,numa danceteria lotada,eu sei,eu sei amor verdadeiro aparece quando se menos espera.Vai ver é por isso que faço analise,sou muito ansiosa.Viu você me ajudou? E sem dizer nada coitado,quão chato deve ser passar o dia ouvindo monólogos principalmente de pessoas como eu.Deus me livre ser psicologa acho que explodiria.
Ela colocou o copo já vazio em cima da mesa e voltou pra sua cadeira parecia contente  de ter achado motivo para suas analises. 
-Responda: qual seu nome?o que te aflige?
-Continue a falar sobre você.
-Não,não.Eu como pagante escolho sobre o que falamos.Agora responda.
-Arthur.Me aflige a claustrofobia das tardes nessa sala,o cheiro de mofo,a amargura de alguns pacientes.
-Diga seu signo.Acho que nós combinamos vê?Todos dois cansados da amargura da vida e das pessoas.
-Acho que Libra.Que importa?
-Muito.Combinamos vê?Eu de escorpião,você de libra,eu doida,você são.Marcamos um jantar que tal?
-Você é minha paciente.
-Não seja por isso lhe pago e saio de fininho ninguém me reconhece mesmo, uma doida entre tantas.Nunca mais apareço no consultório.
-E tuas sessões,Alice?Agora que começaste a descobrir teu problema de ansiedade.
-Acreditaste nisso?Bobinho,não vê que sou só eu sendo um pouco mais eu pra confundir todo mundo dando um nó tão grande que nem sei se consigo desamarra-lo.- parou séria examinando-o com aqueles olhos intensos investigando cada poro de seu rosto. - Tu tens uns olhos bonitos.
-Os teus são mais.- disse ele sem nem ao menos pensar,ela riu aquela risada de quem conquista e procurou um papel na bolsa
-Aqui me liga um dia desses,quem sabe eu tenha melhorado e me queiras como acompanhante.Quem sabes tenhamos mais a combinar que apenas o signo,uísque barato e ficar lendo Freud nas horas vagas.
-Ligo sim.
-Fica bem nesses teus dias amargurados.
Ela disse e saiu pela porta andando naquele rebolando sedutor e ele disse baixinho:
-Eu fico,vou ficando.
Nunca mais encontrou Alice.O papel com o telefone ficou guardado dentro de um livro de Freud com mais uma reportagem do lançamento de um livro,A espera do amor verdadeiro de Alice Lima.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Resenha:Cidade das Cinzas-Cassandra Clare


 SINOPSE

Clary Fray só queria que sua vida voltasse ao normal. Mas o que é “normal” quando você é uma Caçadora de Sombras assassina de demônios, sua mãe está em um coma magicamente induzido e você de repente descobre que criaturas como lobisomens, vampiros e fadas realmente existem? 


Autora:Cassandra Clare
Editora:Galera
Páginas:404


Dando continuação aos acontecimentos na vida dos caçadores de Sombra depois do surpreendente final do primeiro livro,Cidade das Cinzas mostra como Clary está lidando com sua mãe em coma magicamente induzido,seu relacionamento com Jace, seu melhor amigo Simon e todo o resto.Devido as cosias que andaram acontecendo ao Instituto,Robert, Maryse e Max Lightwood voltam pra casa.E para atormentar ainda mais a vida dos personagens surge a Inquisidora que pretende transformar a vida de Jace num inferno.

Como se não bastasse tudo isso Valentim rouba o segundo dos Instrumentos Mortais e Jace passa a ser o considerado seu espião na clave.Além disso crianças de todas as espécies do submundo vem sendo mortas e a Clave não sabe quem está por trás disso.Juntos Clary,Isabelle e Alec tentam ao máximo convencer Jace a cooperar para poderem liberta-lo o mais rápido possível.Para complicar a vida de Clary seu grande amigo Simon está comum probleminha que pode mudar sua vida pra sempre.

Com muito mais ação e suspense do que Cidade dos Ossos,o segundo livro de Os Instrumentos Mortais desenvolve melhor o triângulo amoroso que começa a se formar no primeiro,mostra mais do lado de Luke desconhecido pro Clary até então,finalmente conhecemos o resto da família Lightwood e um pouco mais sobre o Circulo de Valentim.

Cassandra Clare soube deixar o leitor curioso para saber a continuação dessa da história após deixar no ar vários porquês e uma sede para conhecer tudo sobre esse mundo até  então desconhecido dos nephilim.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Resenha:Cidade dos Ossos-Cassandra Clare




SINOPSE
Um mundo oculto está prestes a ser revelado...Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca,nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato-muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandido armas bizarras. Clary sabe que deve chamar a polícia,mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece e os assassinos são invisíveis para todos,menos para ela.Tão surpresa quanto assustada,Clary aceita ouviro que os jovens tem a dizer...Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios,os Caçadores das Sombras tem uma missão em nosso mundo,e Clary pode já estar mais envolvida do que gostaria.
Autora:Cassandra Clare
Editora:Galera
Páginas:462


Imagine se de uma hora pra outra você descobrisse que fadas, vampiros,lobisomens,bruxos existem e sua mãe tivesse sido raptada por um poderoso inimigo.Clary Fray era um menina comum de 15 anos,com problemas com os pais e um melhor amigo até aquela noite no Pandemônio.Ela presencia um assassinato cometido por três adolescentes com armas bizarras,tatuagens esquistas e porque só ela conseguia vê-los?

Jace Wayland,um dos três misteriosos adolescentes,fica encantado com a mundana capaz de enxergar o mundo das sombras onde pessoas como ele caçam e matam demônios e criaturas que desrespeitam a lei.Qual seu espanto quando descobre que a  garota atrevida faz parte de todo esse universo.

Juntos,Clary,seu melhor amigo Simon,Jace e seus amigos Lightwood se envolve numa busca para salvar a mãe de Clary das garras de Valentim,um velho conhecido dos caçadores de sombra que está de volta.

Cassandra Clare consegue envolver o leitor com as aventuras dos caçadores de sombra,o charme de Jace,o amor de Simon por Clary e todas as confusões e problemas que eles encontram no caminho.Com a dose certa de romance e suspense, impossível abandonar o livro pela metade.



Sobre a série
A série Instrumentos Mortais possui seis títulos com apenas três deles publicados no Brasil
1-Cidade dos Ossos
2-Cidade das Cinzas
3-Cidade de Vidro
4-Cidade dos Anjos Caídos(previsto para agosto de 2012)
5-Cidade das Almas Perdidas(maio de 2012 nos EUA)
6-Cidade do Fogo Celeste(espera-se que seja lançado em 1 de setembro de 2013 nos EUA)

Sobre os filmes

A série vai se tornar filme e já tem seus direitos a Constantin  que já está em processo de seleção do cast e debate de roteiro.Alguns personagens já foram escolhidos.O filme tem data de estreia, de acordo, com o tumblr da autora em agosto de 2013.
Para mais informações:
Lilly Collins como Clary Fray
Robert Sheehan como Simon Lewis
Jemima West como Isabelle Lightwood




Jamie Campbel como Jace Wayland








quarta-feira, 11 de julho de 2012

Estava ciente da proximidade de seu rosto, podia sentir sua respiração por entre meus demorados suspiros. Mas fingia não perceber, fazia-me de boba e tola para seu braço tão pressionado ao meu que chegava a machucar, de cega para suas mãos que, nervosas, giravam a chave furiosamente, só não fingia me de surda porque tornara-se desnecessário. Observa-lo se tornava distração e deleite e mal fazia-me ouvir as palavras que saiam de sua boca sendo que só reparava no movimentos de seus lábios tão cheios de vida, mal ouvi quando estes sussurraram meu nome. Arrancada de meus devaneios olhei para ele, que exigia minha atenção para suas palavras, lembro-me d eque na hora as ouvi não com a atenção que ele exigia de mim, porque esta se concentrava em cada pequeno detalhe de seu rosto desde as sobrancelhas meio arqueadas,ao nariz um pouco empinado,passando pelas salientes maçãs do rosto e os olhos que mais pareciam uma piscina de tão profundos. Pareciam analisar-me. Vi quando o vento jogou um mecha do cabelo escuro em seu rosto e suas mãos pararam de girar a chave para consertar, tive vontade, e por pouco não me contive, de tirar a mecha do rosto por ele, de passar a mão suavemente pelo seu rosto sentindo cada a barba ainda por fazer.Mas me contive. Ele praguejou contra o vento, estava bravo. Olhou novamente para mim com aqueles olhos e se despediu. Era isso depois de tudo estava mesmo indo embora, não havia mais motivos que o prendessem ali não é mesmo? Quis levantar sacudi-lo pelos braços e falar que eu ainda estava ali, mas não o fiz. Levantei-me e o puxei para um abraço era o mais próximo que eu podia fazer, ali naquele nosso lugar de tantas conversas e memórias agora virara um lugar de adeus. Como uma estatua me mantive me pé observando-o se afastar para talvez não mais voltar, não percebi porém quando ele parou perdida que estava em meus próprio pensamentos. Apenas me die conta quando ele já estava fazendo meia-volta e andando em minha direção, pensei talvez que esquecera as chaves por ali. Enquanto se aproximava observei a intensidade em seu rosto e pude senti-la quando passou suas mãos pela minha cintura e me puxou para perto de si, mal tinha consciência do mundo ao meu redor ou de onde estávamos, sonhei tanto por aquele momento que apenas sorri de tanta alegria e vê-lo sorrir de volta fez meu coração pulsar cada vez mais descompassado. Quando ele falou ao meu ouvido que esperara demais pro aquele momento não me contive e joguei meus braços por seu pescoço o puxando para mais perto de mim.E finalmente como num longo  demorado conto de fadas que ansiava por um final feliz nos beijamos.

segunda-feira, 9 de julho de 2012


Pedi tanto a Deus que me trouxesse alguém que gostasse de mim de verdade,com todos os meus defeitos no pacote que nem percebi todos os caras legais que ele já havia em mandado.Claro sempre tinha um errinho ou outro mas no fundo mesmo ninguém é perfeito.A verdade é que eu nunca tinha percebido que não basta Deus enviar o cara certo se a gente se apaixona pelo errado.Desde então mudei minha oração,agora peço a Deus não mais pra me mandar o cara certo mas fazer com que o cara errado também goste de mim.Porque de que adianta ser o cara certo e não for recíproco?

Para a moça das palavras....
De uma coisa te garanto não sou muito bom com as palavras então essa carta provavelmente não chega nem aos pés de qualquer coisa que você escreva,também não adianta se subjugar dizendo que não escreve bem,te conheço o suficiente para saber dessa modéstia.Confusa? Peço desculpas então,me atrapalho na busca das palavras certas.Não tens noção de quantas folhas já rasurei tentando escrever pra ti alguma coisa que demonstrasse o tamanho do que sinto.Tentei comparar com a quantidade de gotas d‘água no oceano e ficou muito música sertaneja.Comparei c0mo valor de PI e ficou muito matemático.Escrevi que seria eterno enquanto minha alma vivesse e ficou muito clichê.Enquanto houver vida eu te amarei,mas não dizem que nosso mundo já está para acabar?Muitas foram as tentativas de achar algo que se comparasse ao meu amor por você,uma pequena parcela que fosse,mas não consegui. Porque o meu amor por você é único,é maior que tudo e que todos e é só meu e seu. Desculpa as rasuras,as palavras mal colocadas,desculpa os erros desse seu amor tão errado
ASS: Daquele que nem ao menos consegue te escrever uma carta

Talvez, só talvez,você lembre de mim numa dessas manhãs de domingo, lembre de como domingos são feitos de tédio,lembre das nossas teorias sobre finais de semana, lembre das nossas conversas, lembre da gente.Lembre de como era bom conversar sem se preocupar com o que dizia,como era bom ter alguém com quem discordar fosse divertido,só talvez,um grande talvez. Porque eu lembro, todos os dias quando acordo,todas as noites quando me deito. Eu lembro sempre,porque lembrar mantém vivo na memória e esquecer seria permitir que você não fosse mais parte de mim. Só queria que você lembrasse também, nem que fosse de vez em quando.

Porque ninguém entende o quanto eu preciso de você.Porque é você que eu quero ver todas manhas ao acordar,porque é no seu abraço que eu me sinto segura,porque dentre tantos sorrisos o seu é único que me faz realmente bem.E eles dizem que você não é o melhor pra mim,dizem tanta coisa mas só eu sei que se passa aqui dentro,só eu conheço a angústia de pensar na hipótese de não te ter mais.Só eu sei o pesadelo que seria viver sem você.Porque eles dizem tanto sobre o amor e no fundo não sabem de nada.

Sempre assim não é mesmo? Você some,fica dias sem dar as caras me deixando desesperada. Só pra aparecer assim do nada num dia qualquer com uma desculpa esfarrapada, fazendo beicinho e cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança pedindo pra eu perdoar “foi só dessa vez,eu prometo”. Promete e não cumpre,eu sei e o pior que fica impossível dizer não olhando nos teus olhos, e você vem me abraça e coloca o rosto no meu pescoço e acabou coerência, determinação, tudo.  A minha melhor amiga diz que eu sou idiota, que você ta pouco se lixando,não se importa e eu bem queria que fosse mentira,bem queria saber te dizer “não,ta tudo acabado e nem adianta fazer beicinho” mas eu não consigo e você sabe. Você me conhece, fraqueza pro fraqueza,defeito por defeito, qualidade por..... deu pra entender.Você me tem desde do dedinho do pé a raiz do cabelo, me tem desde o primeiro dia que eu te vi. Você me tem e sabe disso.
--Gabrielli Silva 

Te imagino daqui a alguns anos,talvez com uma família formada,te imagino pai de família e sorrio ao pensar em quão estranho isso soa vindo de mim.O tempo passa depressa as vezes e mal percebemos  a distância que crescia entre nós,não percebemos que nossos sonhos foram se tornando os "meus" sonhos ou os "seus" sonhos. Imagino que esteja feliz agora,faz tanto tempo assim que deixamos de ser tudo um pro outro? Faz tanto tempo não é mesmo...Também estou feliz por mais que isso tenha parecido impossível meses atrás.Só sinto falta.Falta das nossas conversas e de toda nossa sintonia se é que se pode assim dizer.E você ai no sue cantinho tão sossegado, sente falta também?Porque o tempo o passa,as pessoas mudam e os sentimentos também "só que o foi bonito fica com toda força", e ainda acredito na beleza do que a gente sentiu. Te quero um bem enorme e toda felicidade do mundo, tenha sempre isso em mente e não soem porque de vez em quando é bom relembrar de quem fez parte do nosso passado.